(34) 3317-5555 Celso 34 99105-5559 Boi 34 99281-6000 Cotação do Leite

Notícias

Voltar

Descubra como a nutrição pode impactar os sólidos do leite

10/07/2019
Descubra como a nutrição pode impactar os sólidos do leite
O manejo adequado da alimentação do rebanho leiteiro pode melhorar a economia da produção e proporcionar uma vaca mais saudável. A nutrição de vacas leiteiras visando aumentar a produção de leite com níveis máximos de sólidos do leite é essencial para alcançar esses benefícios.
 
Os componentes sólidos do leite incluem gordura, proteína, lactose e minerais. Os valores normais para a gordura do leite variam de 3,7% (Holandesa) a 4,9% (Jersey); proteína do leite varia de 3,1% (Holandesa) a 3,8% (Jersey). A lactose é geralmente 4,6 a 4,8% para todas as raças e os minerais representam uma média de 0,74%. 
 
Os produtores de leite concentram-se em maximizar a gordura do leite e o teor de proteína. As fórmulas atuais de precificação do leite enfatizam a gordura do leite. As porcentagens normais de gordura do leite também refletem boa saúde do rúmen e da vaca. Geralmente, dietas que causam baixo teor de gordura no leite também causam problemas nos pés (laminite), acidose e problemas no consumo de ração. 
 
A proteína do leite tem valor econômico, pois maior teor de proteína leva a maiores rendimentos de queijo. Cada vez mais, o teor de proteína do leite está sendo enfatizado à medida que os diferenciais de preço da gordura do leite diminuem, isso acontece por conta da demanda do público por laticínios  que apresentem o produto com baixo teor de gordura.
 
Como os sólidos do leite podem ser alterados?Fatores que afetam a composição do leite incluem genética, estágio da lactação, nível de produção de leite, idade da vaca, ambiente, doença (por exemplo, mastite) e nutrição. Cerca de 55% por cento da variação na composição do leite é devido à hereditariedade, enquanto 45% é por fatores ambientais, como o manejo da alimentação. 
 
Geralmente, se a relação entre proteína e gordura do leite for inferior a 0,80 para a raça Holandesa, a redução da proteína é um problema. Quando essa relação é maior que 1,0, o rebanho sofre de queda da gordura do leite.
 
Porcentagem de proteína acompanha as mudanças no teste de gordura do leite, exceto durante períodos de queda da gordura e também quando altos níveis de gordura são fornecidos aos animais. 
 
Estratégias nutricionais para maximizar os sólidos do leiteAs diretrizes a seguir são críticas para maximizar a produção de leite corrigida por sólidos:- Formulação adequada de ração;- Máxima ingestão de ração;- Monitoramento da composição da dieta (uso de forragem de rotina, análise de rações);- Colheita e/ou compra de forragem de alta qualidade e alocação adequada dela; - Fornecimento adequado de proteínas, energia, fibras, minerais e vitaminas.Mudanças nutricionais podem ocorrer rapidamente e são a melhor maneira de responder às mudanças nas demandas do mercado. 
 
Confira a seguir algumas recomendações importantes do manejo nutricional para produzir altos níveis de sólidos de leite.
  • Maximize o consumo de alimentos pelas vacas
A importância de maximizar o consumo de alimentos está relacionada à minimização do balanço energético negativo durante o início da lactação. À medida que as vacas passam para um balanço energético positivo, o peso corporal é recuperado, as perdas no escore de condição corporal são minimizadas e as vacas produzem leite com composição normal de gordura e proteína. 
 
O aumento do consumo de alimentos pode melhorar a proteína do leite em 0,2 a 0,3 unidades. Esse aumento no percentual de proteína do leite pode ser devido ao aumento geral na ingestão de energia balanceada, à medida que o consumo total de ração aumenta. As vacas leiteiras de alta produção devem ingerir de 3,6 a 4,0% do seu peso corporal diariamente como matéria seca.
 
Se um rebanho estiver consumindo menos matéria seca do que 3,5 a 4,0% do peso corporal, a produção de leite corrigido por sólidos pode ser limitada. Os principais fatores de que afetam o consumo de ração incluem:
- Manejo adequado do cocho (mantê-los limpos, sombreados durante o período quente e ter espaço adequado por vaca);- Frequência de alimentação e sequência;- Umidade da ração (50 por cento de umidade ou menos);- Interações sociais (problemas de hierarquia quando novilhas e vacas maduras são misturadas em um grupo);- Mudanças súbitas de ração; e- Piso e ventilação adequados.
 
O aumento da frequência de alimentação aumenta o teor de gordura, especialmente com dietas com baixo teor de fibra e alto teor de grãos. A maior resposta é vista para dietas com menos de 45 por cento de forragem e quando o grão é fornecido separadamente. Quando as dietas são fornecidas na forma de rações mistas totais, a frequência de alimentação não é tão importante, desde que a ração permaneça palatável e seja fornecida pelo menos uma vez ao dia.
 
 Forneça concentrados na quantidade adequada
 
O fornecimento adequado de concentrados envolve principalmente a manutenção correta da proporção entre ração e forragem e níveis de carboidratos não-fibrosos (CNF). Os carboidratos não fibrosos incluem amido, açúcares e pectina. O nível é calculado da seguinte forma: NFC = 100 - (proteína bruta + fibra em detergente neutro + gordura + minerais).
 
Os carboidratos não-fibrosos devem variar entre 20% e 45%. Um nível de 40% a 45% é típico de dietas com menos de 40% de forragem.
 
Dietas com grandes quantidades de forragem de alta qualidade e grãos mínimos podem ser deficientes em carboidratos não-fibrosos. Fornecer os níveis adequados de CNF pode melhorar tanto a proteína quanto a gordura do leite, enquanto a superalimentação leva à queda da gordura do leite de uma unidade ou mais e frequentemente aumenta em 0,2 a 0,3 unidade.
 
A quantidade de grãos por alimentação deve ser limitada a 3,2 quilos para evitar acidose ruminal, queda no consumo e redução do teor de gordura do leite. Além disso deve ser limitado a um máximo de 13,5 a 16 quilos por vaca diariamente. Esterco que contém muito milho não digerido ou com pH menor que 6,0 indica que grãos ou carboidratos não fibrosos, estão sendo fornecidos incorretamente.
 
O processamento de grãos também pode influenciar a composição do leite. Milho em flocos pode aumentar a porcentagem de proteína do leite. Já a aveia diminui o percentual de proteína do leite em 0,2 unidade em comparação com a cevada. Geralmente, a cevada enrolada ou moída e o milho em flocos causam uma rápida e severa diminuição na gordura do leite quando fornecidos em excesso. 
 
Subprodutos fibrosos, como a casca de soja, podem substituir os grãos ricos em amido e reduzir a gravidade da queda da gordura do leite. Pesquisas da Universidade de Nebraska indicam que as cascas de soja podem substituir 50% a 75% do milho em uma mistura concentrada para manter o teste normal da gordura do leite.
 
 
Atenda aos requisitos de fibra
 
O requisito de fibra da vaca leiteira consiste no nível e tamanho da partícula. Ambos contribuem para a eficácia de uma fonte de fibras para estimular a ruminação (mastigação lenta), a salivação e a manutenção da composição normal de gordura e proteína do leite. 
 
 
Os níveis mínimos de fibra em detergente ácido (FDA) necessários na matéria seca da ração são de 19% a 21%. A fibra em detergente neutro (FDN) não deve ficar menos de 26% a 28%. Abaixo desses níveis, as vacas têm queda na gordura no leite, acidose, claudicação, flutuações crônicas na ingestão de ração e condições corporais ruins, especialmente no início da lactação. 
 
Para assegurar o comprimento adequado de partículas, a forragem não deve ser cortada em menos de 3/8 polegadas (0,95 cm) de comprimento teórico de corte (TLC). Cortar mais fino do que isso pode diminuir drasticamente o percentual de gordura e aumentar a porcentagem de proteína do leite em 0,2 a 0,3 unidades. Assim como o fornecimento exagerado de CFN (concentrados ricos em amido), embora o teor de proteína do leite aumente, não é saudável para a vaca e para o rúmen.
 
Fornecimento de fibra inadequada não é recomendado para aumentar o teor de proteína do leite. Cerca de 75% da FDN em uma dieta deve vir de forragem longa ou grosseiramente picada para satisfazer plenamente o requisito de fibra da vaca.
 
Alimentações muito ricas em fibras (muito baixas em energia) limitam a produção de proteína porque não se consome energia suficiente. Geralmente, 40-50% de matéria seca de forragem em uma ração é a quantidade mínima para evitar o baixo teor de gordura no leite. Ao fornecer 65% ou mais de forragem, essa deve ser de alta qualidade para evitar deficiências de energia que diminuam a proteína.
 
Forneça quantidade adequada de proteína
Atender às exigências de vacas leiteiras para proteína bruta e by-pass é essencial para manter o teor normal de proteína do leite. Para uma vaca de 590kg produzindo 4% de gordura do leite, as necessidades de proteína bruta variam de 15% para 23kg de leite a 18% para vacas produzindo 50kg de leite. Para vacas no início da lactação (90 a 120 dias no leite), o nível de proteína by-pass deve variar de 33% a 40%. Atualmente, um requisito preciso não foi definido, mas ter pelo menos 33% de proteína by-pass (como porcentagem da proteína bruta) parece ser necessário para manter os níveis normais de proteína do leite.
 
Geralmente, o nível de proteína bruta da dieta afeta a produção de leite, mas não a porcentagem de proteína nele, a menos que a dieta seja deficiente em proteína bruta. Por exemplo, um produtor pode alimentar seu rebanho com uma proporção de proteína bruta de 14,5% quando a exigência é de 16,5%. Este rebanho provavelmente terá um baixo teor de proteína do leite. Esta situação ocorre frequentemente quando é fornecida forragem de má qualidade e o produtor não a testou para formular adequadamente uma mistura de grãos. 
 
Além disso, o fornecimento excessivo de proteína bruta degradável, como a ureia, pode reduzir a proteína do leite. De forma geral, deve-se limitar o fornecimento de ureia para vacas com mais de 120 dias em lactação. A ureia deve perfazer apenas 1% a 2% da mistura de concentrado para manter a palatabilidade, e funciona melhor quando misturada na dieta, com uma ração mista total.
 
  • Suplementação de gordura e proteína do leite
A suplementação de gorduras tem se tornado cada vez mais comum nos rebanhos leiteiros de hoje. É necessário seguir algumas orientações ao fornecer gordura para evitar uma queda no nível de proteína do leite de 0,1 a 0,2 unidades. Se fornecida adequadamente, a gordura adicionada geralmente resulta em porcentagem de gordura do leite mantida ou levemente aumentada, relativamente pouca mudança no teor de proteína do leite e aumento na produção. O resultado líquido é que a produção total de proteína do leite e de sólidos não gordurosos aumenta.
Fornecer niacina em uma quantidade de 6 a 12g por dia, pode corrigir a queda da proteína do leite observada com altos níveis de gordura. Certifique-se de limitar a ingestão de gordura aos primeiros 120 dias de lactação, equilibrar a ração para carboidratos não fibrosos e proteína bruta, seguir os limites recomendados para fontes de gordura, fornecer níveis de forragem adequados e aumentar as concentrações de cálcio para 0,95% da matéria seca da ração e concentrações de magnésio a 0,35 por cento da matéria seca da ração. Níveis mais altos desses dois minerais neutralizam sua perda quando são fornecidos níveis mais altos de gordura.
 
Fonte consultada:Artigo: Feeding to Maximize Milk Solids, artigo de Richard J. Grant, especialista em extensão rural no setor de lácteos da Universidade de Nebraska-Lincoln (https://extension2.missouri.edu/g3110).
 
FONTE: https://www.educapoint.com.br/blog/pecuaria-leite/como-nutricao-pode-impactar-solidos-do-leite/?utm_source=whats&utm_medium=post&utm_campaign=formulacao-leite-2019&utm_content=como-nutricao-pode-impactar-solidos-do-leite

Compartilhe: